Encontro com Fátima Bernardes no inferno

Hoje é sexta-feira e nada melhor que acordar com música e assuntos leves pra deixar a manhã mais descontraída, né? Não se você for a Fátima Bernardes.

A antiga âncora do Jornal Nacional resolveu abordar o assunto “crianças transgêneras” no seu programa matinal, exibido em TV aberta, no horário em que mães e filhos assistem TV enquanto preparam o almoço. Você leu certo! Crianças transgêneras! A apresentadora não só escolheu expor crianças a um assunto tão adulto quanto resolveu DIRECIONAR O PROGRAMA PARA ELAS.

Não consigo, sinceramente, dizer qual a motivação do programa mas qualquer uma das possíveis motivações traz consigo uma carga nojenta e nefasta. Seriam duas possíveis: conseguir audiência com a polêmica ou doutrinação ideológica. Na primeira, o dinheiro vem na frente de qualquer vergonha na cara, na segunda, é o próprio desejo egoísta de pregar sua crença disfarçada de ciência que impera.

Não podendo avaliar com precisão os objetivos dessa gente, vou me limitar a analisar sua podridão como quem revira um latão de lixo hospitalar.

A atração começa anunciando, ainda no programa anterior, que abordaria um tema que ainda é tabu na nossa sociedade. Isso por si só já é ridículo! O tema não é tabu. Só é tabu um tema que realmente EXISTE! Na sociedade brasileira essa questão não é abordada fora das rodinhas super modernas e antenadas do Leblon, ninguém tem a necessidade de debater esse assunto fora das colunas de revistas extremamente tendenciosas consumidas apenas por pessoas que não se preocupam com boletos vencidos ou que acham bacana cheirar uma carreira com o travesti da esquina pra pagar de inclusivo.

Continuando a atração, complementa seu anúncio de pauta com a escala de convidados: um especialista e uma celebridade.

Sobre o especialista, não posso julgar mérito, não conheço suas realizações acadêmicas, mas tenho certeza que a presença de APENAS UM ESPECIALISTA já deixa claro que o programa deseja apenas uma confirmação “diplomada” de sua opinião. O especialista serve apenas para dar peso ao que o programa já defende, não para abordar o tema de forma desinteressada.

Já a celebridade, é nada mais, nada menos que Marcelo Tas, sujeito completamente parcial pois além de ser escancaradamente progressista, tem um filho “transgênero”. Assim, já podemos concluir que além de escroto, o programa é covarde, pois se arma de todos os recursos possíveis para PREGAR uma CRENÇA e não abordar um assunto. Além disso, preciso reforçar o quão sério e irresponsável é abordar um assunto desses para uma audiência cheia de crianças. Não se fala de TRANSTORNO DE IDENTIDADE DE GÊNERO como quem passa uma receita de bolo de fubá.

Falando em ‘TRANSTORNO DE IDENTIDADE DE GÊNERO’, esse é o nome dado para a questão abordada no programa.

É um nome patológico ainda na classificação internacional de DOENÇAS E PROBLEMAS RELACIONADOS A SAÚDE. Sim! Doença! E por ser tratado assim, como DOENÇA, é que pessoas com esta condição conseguem tratamentos de saúde públicos e privados. Em outros documentos relacionados a transtornos mentais a “American Psychiatric Association” passou a usar em 2012 essa condição de disforia de gênero, não tratando mais como transtorno ou desordem mental. A decisão foi amplamente considerada ideológica e não científica, não só por conservadores mas por estudiosos LIGADOS A IDEOLOGIA DE GÊNERO. Sim! Você leu certo! Estes estudiosos alegam que a definição de gênero nada tem a ver com a questão física (orgão genital) mas como uma construção humana. Logo, alguém que se sente mulher não precisaria se tornar fisicamente mulher.

Na minha humilde opinião, a coisa é muito mais fácil de resolver. Se alguém se considera Napoleão, qual o procedimento? Tratamos sua mente ou damos a ele uma patente e um cavalo branco? Logo, se alguém se sente uma mulher dentro do corpo de um homem, por qual motivos mutilaríamos seu corpo? Daríamos a ele roupas de mulher e obrigaríamos TODA A SOCIEDADE a tratar a pessoa como mulher? No passado, pessoas já foram tratadas com torturas e choques elétricos quando apresentavam sintomas de esquizofrenia, vamos novamente errar e entupir de hormônios e cicatrizes pessoas que já estão em sofrimento? Penso que é muita crueldade submeter o outro a tanto só para evitar desobedecer um manual ideológico.

Vendo que a ciência cada vez mais se confunde com uma seita que usa estudos empolados e referências bibliográficas para comprovar crenças vazias, é angustiante demais perceber como estamos entregues a uma mídia que luta covardemente e usando das mais grosseiras armas para pregar seus dogmas. É triste ver que muitos ainda vão sofrer e ter seus filhos influenciados e adoentados por conta de uma gente rica e fútil que busca preencher seu vazio existencial com uma coreografia ridícula de reverências ideológicas.

6 thoughts on “Encontro com Fátima Bernardes no inferno

  • Fevereiro 17, 2017 at 11:25 am
    Permalink

    Ainda não li, só queria repetir aqui a sugestão que dei em outra notícia (por favor leiam): façam um artigo sobre propostas para o Bolsonaro ter em sua campanha para 2018, de forma que possamos deixar muitas sugestões.

    Alguém que teria como contatar ele depois repassaria a lista ou mesmo a matéria!

    Reply
  • Fevereiro 17, 2017 at 11:43 am
    Permalink

    Se já não era tola em grau máximo, e certamente o era em outros graus, a Fátima Bernardes atingiu o limite máximo da tolice e estupidez.
    Se não há pauta, ela inventa uma.

    Reply
  • Fevereiro 17, 2017 at 12:22 pm
    Permalink

    Todo esse pessoal que defende e propaga as causas LGBT’s não criam seus filhos para se relacionarem sexualmente e ter intimidade com eles. Líderes esquerdistas e artistas globais criam seus filhos muito machos e suas filhas muito femininas. Homossexualismo e demais coisas do gênero são para o SEUS filhos. O deles não!!!!

    Reply
  • Fevereiro 17, 2017 at 1:13 pm
    Permalink

    Esse lixo só se espalha pois ainda tem audiência, a solução é parar de assistir essa e outras porcarias que disseminam essa ideologia e boicotar os anunciantes, eu por exemplo, não compro Seara de jeito nenhum.

    Reply
    • Fevereiro 18, 2017 at 6:48 pm
      Permalink

      Tem que cortar o financiamento público deles também. Porque com mais de 10 Bilhões ao ano só do BNDES, vão repetir isso o quanto forem mandados mesmo com audiência zero.

      O dinheiro ficou muito fácil para eles, ainda por cima.

      Reply
  • Fevereiro 18, 2017 at 6:20 am
    Permalink

    Essa gente é demoníaca.

    Reply

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *